25 de Janeiro de 2010 19:34:25
%{artist} - %{title} , (%{year}) (%{time})
    PodCast Ariquemes 190 -- Play para ouvir
Carregando %{time1} de %{time2} (%{percent}%)
  ---  
0:00

This is a normal list of HTML links to MP3 files, which jsAMP picks up and turns into a playlist.

SÃO LUIZ CALÇADOS
Sobreira
Romera

Início » Notícias » Entretenimento » Exibindo Notícia

Dario Cirurgia Notícia

Data: 09/08/2017 Compartilhe esta notícia

VÍDEO - “GANHA A MORTE” diz ex-jogador de Baleia Azul em Ariquemes

 

         O jogo denominado Baleia Azul vêm assustando famílias em vários lugares do mundo e já chegou em Ariquemes. Na noite da ultima terça-feira 25/04, uma menina de apenas 13 anos de idade tentou suicídio cortando se mutilando com lâminas de aço e foi parar no pronto socorro. A equipe de reportagens do Programa Bronca da Pesada e site Ariquemes 190 conseguiu falar com um ex-jogador de Baleia Azul que deu detalhes sobre como acontecem os desafios e ainda relatou que no fim do jogo o que se ganha é a morte.

 

       Saiba mais sobre o jogo:

         O termo jogo da Baleia Azul refere-se a um suposto fenômeno surgido em uma rede social russa, ligado ao aumento de suicídios de adolescentes. Acredita-se que o jogo esteja relacionado com mais de cem casos de suicídio pelo mundo, havendo fotos de feridas auto infligidas compartilhadas em redes sociais, juntamente com as hashtags do jogo.

         O termo "Baleia Azul" refere-se ao fenômeno de baleias encalhadas, supostamente suicidas.

         O jogo consiste em uma série de desafios diários, enviados à vítima por um "curador". Há desde tarefas simples como desenhar uma baleia azul numa folha de papel até outras muito mais mórbidas, como cortar os lábios ou furar a palma da mão diversas vezes. Em outra tarefa, o participante deve "desenhar" uma baleia azul em seu antebraço com uma lâmina. Como desafio final, o jogador deve se matar.

         Caso a vítima morra, os curadores podem ser indiciados por homicídio, podendo pegar até 30 anos de cadeia. Eles podem ser ainda condenados por associação criminosa (três anos de reclusão), lesão grave (oito anos de prisão) e ameaça (seis meses).

        

Como proteger seu filho desta ameaça?

 

1. Tenha uma conversa franca e sem sermão

Embora o assunto seja motivo de grande preocupação, ele deve ser tratado com serenidade. Uma boa ideia é começar perguntando ao seu filho se ele já ouviu alguma coisa a respeito do Jogo da Baleia-Azul para introduzir a conversa.

Evite dar sermões e censurar a conversa, pois isso pode fazer com que o adolescente omita informações, algo como “se meus pais vão surtar, é melhor eu ficar quieto sobre o que aconteceu com meu colega”.

 

2. Tenha em mente: a culpa não é da internet

Proibir que o jovem acesse as redes sociais não apenas vai deixá-lo revoltado como também é uma medida ineficaz. Você pode até evitar que ele entre em contato com o Jogo da Baleia-Azul, mas ele não estará preparado para enfrentar outras ameaças semelhantes que podem surgir durante a vida.

Apesar de ser uma ameaça que começa pela internet, as redes sociais são apenas o meio por onde o perigo vem, e não sua verdadeira causa. Por isso, a melhor saída é promover o diálogo e ensinar seu filho a reconhecer as ameaças para poder evitá-las.

 

3. Apesar disso, monitore o uso das redes sociais

Mesmo que a internet em si não seja a fonte do problema, é claro que o uso desse meio deve ser monitorado pelos pais. É necessário saber quais sites seu filho acessa, em que horário e por quanto tempo.

Ensine seu filho sobre quais informações ele deve ou não compartilhar na internet. Nome completo, telefone, endereço, escola onde estuda, nome e profissão dos pais, por exemplo, não devem ser expostas em redes sociais, pois podem servir como arma na mão dos “curadores” do jogo.

Uma dica valiosa é acessar as redes sociais do seu filho e procurar por grupos relacionados ao jogo. Caso você encontre algum, denuncie à própria rede social e leve o caso até a polícia.

 

4. Preste atenção em mudanças de comportamento

Mudanças como isolamento repentino, solidão e apatia são sinais de que algo não vai bem. Mesmo que seu filho não esteja participando do Baleia-Azul, essas manifestações podem indicar algum transtorno emocional como a depressão.

Além disso, esteja atento se seu filho insistir em usar roupas compridas mesmo em dias de calor, pois isso pode ser uma tentativa de esconder as marcas das automutilações induzidas pelo jogo. Cortes nas mãos, braços e pernas são um sinal de alerta muito forte e devem ser tratados com urgência.

 

5. Mostre abertura para conversar sobre os problemas dele

Fazer piadas com o Jogo da Baleia-Azul, repetir preconceitos de que depressão é coisa de quem não tem o que fazer e bradar que “antigamente essas coisas não existiam” não ajudam seu filho a se manter distante dessas ameaças.

Para piorar, a mensagem que ele vai entender é que não pode conversar sobre seus problemas com seus pais, pois ele vai intuir que poderá ser ridicularizado ou até mesmo castigado pela família.

A adolescência é um período muito difícil e, mesmo tendo todas as necessidades como moradia, saúde e educação atendidas, todos estamos sujeitos a enfrentar transtornos emocionais, principalmente nessa época da vida.

 

6. Forme uma rede de proteção

É da natureza dos adolescentes se abrirem mais com os amigos do que com os pais. Por isso, é interessante formar uma rede de proteção com os pais dos amigos mais próximos do seu filho, de forma que as famílias possam colaborar umas com as outras na prevenção dessas ameaças.

A escola também deve participar dessa rede – tanto que várias suspeitas de participação do Jogo da Baleia-Azul têm sido detectadas no ambiente escolar, pelos próprios professores. Entre em contato com a escola e verifique se há alguma programação em relação à prevenção do suicídio, como debates e palestras.

 

7. Leve o bullying a sério

Ainda no ambiente escolar, é importante checar se seu filho não está envolvido em práticas de bullying, seja como vítima ou como praticante.

Tenha em mente que xingar, isolar, ameaçar fisicamente e ridicularizar colegas não é apenas uma “brincadeira de criança”, podendo ter consequências graves. Tanto vítimas quanto praticantes de bullying precisam de acompanhamento psicológico para resolver esse problema.

Não raro, as famílias de jovens vítimas do suicídio relatam que seus filhos eram adolescentes normais, felizes, estudiosos e com muitos amigos, não dando nenhum sinal de que havia algum problema.

Porém, uma atitude tão drástica não surge de forma repentina, sendo consequência de uma tendência psicológica para esse ato. Muitas vezes, os sinais estavam sendo dados, mas a falta de diálogo realmente aberto, sem sermões e sem piadas sobre os sentimentos dos adolescentes, não permite que os pais consigam detectá-los.

 

COM INFORMAÇÕES DE O GLOBO/DICASDEMULHER

FONTE: ARIQUEMES190.COM.BR

Curtam nossa página no facebook: CANAL35/ARIQUEMES190

Data: 09/08/2017 Compartilhe esta notícia
Novalar
Rondon Cap
Casa do Relojoeiro
Tigrão Veículos
Farmácia Paraná

www.ariquemes190.com.br
Copyright © 2008 - 2017 Todos os direitos reservados

Site desenvolvido por Softwei, Buscazip, Guiaking Empresas